Conheça os vencedores do 20º Cinemato

Conheça os vencedores do 20º Cinemato

Na 20ª edição do Cinemato, o Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá, “Luciene”, de Juliana Curvo e “Loop”, de Bruno Bini venceram o prêmio de Melhor Filme na categoria Longa-Metragem concedido pelos Júri Oficial e Popular, respectivamente. Na de Melhor Filme de Curta-Metragem Brasileiro, “Adelaide: Aqui não há segunda vez para o erro, de Anna Zêpa (SP), foi consenso entre júri e público.

Lançado em 2020, o filme de Juliana Curvo ousa ao expor o processo de construção de um documentário sobre a poeta mato-grossense Luciene Carvalho e a fronteira entre documental o real (resquícios dele) ou aquilo que se conta (inventa-se). Assim, o filme aborda do autobiográfico à autoficção no encadeamento narrativo da autorrepresentação documental.  

Já Loop, uma ficção científica, revela a história de Daniel (Bruno Gagliasso), que após a morte de sua namorada, fica obcecado com a ideia de voltar no tempo para evitar a tragédia. O estudante de Física se deixa consumir pela sua própria obsessão até que após anos de isolamento, ele encontra a solução. Daniel então vira as costas para o seu futuro e volta ao passado.  

O idealizador do festival, o pesquisador de Cinema e cineasta, Luiz Borges, considerou que a 20ª edição foi uma das melhores da história do festival. “O formato online viabilizou que entusiastas do cinema brasileiro que moram em outros países, tivessem acesso à programação. Registramos espectadores em Portugal, Austrália, Japão, Estados Unidos, Chile, Argentina, Uruguai e Guatemala, entre outros”.

O número de público também foi celebrado. “Essa janela nunca antes experimentada por nós, possibilitou a ampliação de público para as sessões. Diariamente tivemos mais de 1 mil acessos por dia, gente ávida por conteúdos brasileiros e por conhecer as produções mato-grossenses. Isso comprova a importância desse trabalho de mostrar a diversidade cultural brasileira e incentivar cada vez mais a produção de filmes no Brasil e em especial, em Mato Grosso”, disse Luiz à ocasião da cerimônia de encerramento, disponível para visualização no canal do Festival Cinemato no YouTube.

Ele pontuou ainda as atividades paralelas. “Foram duas semanas coroadas também, pela realização de oficinas que ou introduziram jovens na cadeia produtiva, ou proporcionaram reciclagem de profissionais. Nossa equipe celebra a retomada do festival”.

O secretário de Estado de Cultura, Esportes e Lazer (Secel-MT), Beto Dois a Um, congratulou o realizador do festival pela 20ª edição do Cinemato. “É uma grande honra participar, de alguma forma, de um evento tão importante para a cultura e para nosso Estado. Conheço muitos profissionais que nasceram desse processo cultural, que é o festival. Ver a Lei Aldir Blanc se materializando na construção de algo tão grandioso para o audiovisual mato-grossense me deixa realizado”.

Beto renovou o entusiasmo da equipe Cinemato ao declarar que vai colaborar para que o projeto da 21ª edição saia do papel, para que o festival não tenha sua continuidade comprometida.  

Diante da grande contribuição do festival para a formação e ampliação de plateia para o Cinema do Brasil, Mato Grosso e Cuiabá, o Cinemato é homenageado por duas iniciativas em nível municipal e estadual. A vereadora Edna Sampaio e o deputado estadual Alan Kardec concederam Moção de Aplausos ao Cinemato.

A 20ª edição do Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá, Cinemato, foi realizada com recursos de edital da Lei Aldir Blanc realizado pelo Governo de Mato Grosso, via Secretaria de Estado de Cultura, Esportes e Lazer (Secel-MT), em parceria com o Governo Federal, via Secretaria Nacional de Cultura do Ministério do Turismo.

Contou ainda com apoio da Assembleia Legislativa Mato Grosso – via Assembleia Social -, da Universidade Federal de Mato Grosso (IGHD/UFMT), Cineclube Coxiponés e Rede Cineclubista de Mato Grosso (REC-MT), Laboratório de Comunicação e Cultura – A Lente e Inca – Inclusão, Cidadania e Ação, Latitude Filmes, Cena Onze e Cine Teatro Cuiabá. 

Compuseram a equipe de produção da 20ª edição do Cinemato: Diego Baraldi (programador), Duflair Barradas, Gisela Magri, Isabela Sanders, Ângela Coradini, Jonas Félix, Fabiano, Leila Sayuri, Lidiane Barros, Marianna Marimon, Naire (Ser Digital), Rafael Alfonso, Rafaella Lerer, Robson Silva, Rosivaldo, Wesley e Yuri Kopcak.

Confira os vencedores:

Prêmio Júri Oficial de Longas-Metragens

Melhor Filme: Luciene (de Juliana Curvo);

Melhor Ator: Gustavo Machado (A Batalha de Shagri-Lá);

Melhor Pesquisa Histórica: Barão de Melgaço (de Leonardo Sant’Anna);

Melhor Roteiro: Severino Neto (A Batalha de Shangri-Lá);

Melhor Uso de Material de Arquivo: Diretas Já (Marcelo Santiago e Rodrigo Piovezan);

Prêmio Especial do Júri Pela Revelação do Protagonismo Feminino: Mata Grossa (Tati Mendes e Amauri Tangará).

Prêmio Júri oficial de Curtas-Metragens

Melhor Curta-Metragem: Adelaide: Aqui não há segunda vez para o erro, de Anna Zêpa (SP)

Melhor Fotografia: Robert Coelho, por O Buraco (AM)

Melhor Atriz: Jocê Mendes, por O Buraco (AM)

Melhor Direção e Montagem: Atordoado, Eu Permaneço Atento, de Henrique Amud e Lucas Rossi (RJ)

Prêmio Descoberta do Olhar: Luis Humberto: O Olhar Possível (Mariana Costa e Rafael Lobo – DF)  

Menção Honrosa de Re-existência: Larissa Nepumoceno por Seremos Ouvidas (PR)

Menção Honrosa de Re-existência: Danielle Bertolini por Pi´õrómnha ma´ubumrõi´wa – Mulheres Xavante Catadoras de Sementes (MT)

Menção Honrosa de Solução de Linguagem: Lá Fora – de Guilherme Telli (SP)

Júri Popular Mostra de Curtas-Metragens

Adelaide: aqui não há segunda vez para o erro, de Anna Zêpa (SP)

Júri Popular Mostra de Longas-Metragens 

Loop, de Bruno Bini  

Prêmio Júri Popular – Mostras temáticas

Mostra Filmes do Mato

Melhor Curta-Metragem: O menino e o ovo, de Juliana Capilé

Melhor Série: O Pantanal e outros Bichos (Episódio 3), de Amauri Tangará

Melhor Telefilme: As cores que habitamos, de Marithê Azevedo

Mostra Centro-Oeste

Melhor Curta-Metragem: Do outro lado, de David Murad (DF)

Melhor Longa-Metragem: Sísmico, de Severino Neto e Rafael de Carvalho (MT)

Mostra Filmes da Resistência

Melhor Curta-Metragem: Castanhal, de Marques Casara e Rodrigo Simões Chagas (SP)

Melhor Longa-Metragem: Limiar, de Coraci Ruiz (SP)